26 de abr de 2017

Resenha: Uma Vez Você, Uma Vez Eu - Diego Martello

Marcos e Willian, pai e filho, tentam se reconciliar após anos de desentendimento. Em paralelo, Eva, mulher de Willian, quer a todo custo engravidar, o que frustra o casal. A partir da visão do interior de cada um, esses personagens terão de reconfigurar o modo de pensar para enfrentar os seus conflitos. Nessa fase tão conturbada para todos, reflexões acompanham cada segundo da trajetória deles.
Narrada de forma surpreendente, provocativa e crítica, esta obra não tem a pretensão de apresentar soluções para os problemas enfrentados, mas, sim, mostrar as armadilhas de nosso fluxo de consciência, para compreendermos que as soluções dos problemas dependem, muitas vezes, da forma como se lida com as ilusões, ou, ao contrário, como se enxerga verdadeiramente a realidade.


Autor: Diego Martello
Editora: Talentos da Literatura Brasileira
Classificação: 2 de 5 estrelas
 Ano: 2015
Páginas: 184



Uma Vez Você, Uma Vez Eu nos apresenta a uma pessoa que vive um drama interior por suas escolhas.


Temos Willian, que tem uma mulher maravilhosa, só que um empecilho está destruindo cada vez mais a felicidade do casal: Eva não consegue engravidar. Mesmo tendo os tratamentos adequados, o tão sonhado filho não chega. Eva fica cada vez mais triste por esta situação.

Willian trabalhou por grandes anos com seu pai, Marcos. Eles tinham uma empresa juntos, porém por um descuido de Willian, a empresa começa a decair e ele terá que fazer de tudo para reerguer a empresa. Porém Willian não aguenta toda a pressão que está tendo e além de colocar a culpa em algumas pessoas, acaba machucando os sentimentos de outras.

Ele fica anos sem falar com seu pai, ele acha que o pai é o maior culpado por tudo que aconteceu anteriormente em sua vida, mesmo que tenha um trabalho e uma situação financeira estável.

Quando Eva avisa-lhe que seu pai sofreu um acidente, Willian luta com seu “eu” interior para visitar o pai e ver como está sua saúde. Após constatar que o pai está razoavelmente bem, ele ruma para sua casa, o grande problema é que ele trancou o carro com a chave dentro, então não poderá sair dali até virem dar um jeito em seu carro.

Contra sua vontade, Willian terá que ficar na casa de seu pai, o mesmo lhe pede um favor. Terá uma reunião daqui a alguns dias e ele precisa deixar um último envelope num final de uma trilha e pede para Willian fazer isso.

O mesmo não se prontifica no começo, mas depois acaba aceitando. A curiosidade é maior do que ele, então acaba lendo todos os envelopes que o pai colocou pelo caminho. Esses envelopes irão mudar totalmente a pessoa que Willian se transformou!

“O novo nem sempre nos traz a solução, mas nos possibilita novas experiências, novos erros e um novo aprendizado, que, por sua vez, sempre nos traz mais do novo, mais conhecimento e mais chances de chegarmos ao objetivo.”

Comecei o livro esperando uma coisa e me deparei com outra totalmente diferente. Vi algumas resenhas em alguns igs literários que falavam super bem da obra e me deixou com uma expectativa diferente da realidade que me deparei ao começar a leitura.

A narrativa do autor é muito reflexiva, o que me deixou muita das vezes entediada. Sim, o livro nos leva a pensar sobre algumas de nossas ações. Porém não sou grande fã do gênero de auto-ajuda e o livro me pareceu uma mistura desse gênero com uma grande dose de drama familiar.

Nós acompanhamos Willian melhorar cada vez mais, o que é uma coisa muito boa. O amadurecimento do personagem em certas questões é muito bom de ver.

O final foi bem surpreendente, na hora eu não gostei muito, mas analisando depois, até que foi uma boa ideia do autor.

A capa do livro é interessante, a mistura das cores é bem bonita. A diagramação do livro é bem simples e as letras do livro estão em tamanho médio. O livro em um todo conta com 4 capítulos.

Em suma, o livro é bem reflexivo e nos traz diferentes formas de pensar. Não é um livro ruim, longe disso, mas me deixou muito entediada durante a leitura. Alguém aqui já leu o livro? Conte-me se gostaram ou não! 

 

7 comentários:

  1. Oi Ana.
    Eu acredito que esse livro deve ser surpreendente muito lindo. Quero dizer, quando leio livros sobre relações familiares eu percebo que eles são os que mais me tocam. Adorei o post.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo a capa desse livro. Pena que você não tenha gostado tanto, mas como sou do tipo que gosta de tirar minhas proprias conclusões, quero lê-lo, já faz parte da minha lista, mas vou ler sem muita expectativa porque também não curto auto-ajuda.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. De uma forma geral tudo que fala de família é reflexivo e de auto ajuda rsrs
    Todo livro carrega um ensinamento ou algo de bom para entreter. No caso desse acredito que seja o ensinamento. Já li outra resenha dele e tive essa mesma impressão. É um livro pra nos fazer refletir.

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. Esse livro tem recebido diversos elogios nos posts de instas que eu tenho acompanhado. Fiquei surpresa com sua nota, mas ainda tenho vontade de ler ele, pra ter minha opiniao.
    Beijos,
    Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br

    ResponderExcluir
  5. Vi que esse livro tem sido muito elogiado. A história parece interessante, por relatar coisas que realmente acontecem no dia a dia, porém por outro lado acho que seria o tipo de história que eu prefiriria um filme pois acho que a leitura me deixaria entediada. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Compreendo o que você quer dizer, pois uma de nossas resenhistas que ficou responsável pelo livro também teve uma opinião similar. Gostei de como foi sincera no post :D

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
  7. Olá Ana, esse livro é excelente, uma leitura agradável e reflexiva pelo menos pra mim!!! Eu gostei da leitura e pretendo postar resenha em breve!!!
    Com carinho
    One

    http://onebooksoficial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir