28 de fev de 2017

Primeiras Impressões: Tábula Rasa - Laplace Cavalcanti

A disputa insaciável por recursos e poder resultou em uma guerra atômica que mudou a face da Terra e quase extinguiu a raça humana, seus últimos sobreviventes estão refugiados em uma base militar sob uma montanha. Despertando nesse mundo pós-apocalíptico, depois de ter sido resgatado, David precisa lidar com sua nova realidade, enquanto tenta resgatar vestígios de seu passado, do qual nada recorda. Não leva muito tempo para ele descobrir que a vida limitada que o subterrâneo proporciona e a impossibilidade de regressar à superfície, devido à radiação, são os menores problemas de todos ali. Por algum motivo, todos os sobreviventes são inférteis, e não importa o quanto tentem melhorar as suas vidas, de nada adiantará se não conseguirem reverter esse problema. A humanidade não está livre da extinção.
Compre o livro clicando aqui



Autor: Laplace Cavalcanti
Editora: Coerência
 Ano: 2017
 Páginas: -



Após a Terra sofrer uma destruição em massa, poucas pessoas sobreviveram. Não há mais oxigênio na Terra e ela não é mais habitável, tudo que há agora é deserto e radiação.

Porém antes da guerra, algumas pessoas tiveram a incrível ideia de criar um lugar onde as poucas pessoas que sobrevivessem poderiam habitar.
Neste lugar têm de tudo, médicos, engenheiros, faxineiros, agricultores, todo mundo que vive naquele lugar tem uma função, com o intuito de cada vez mais melhorarem as condições de vida dele.

Após uma expedição em busca de sobreviventes, acabam por encontrar David McKey, ele não se lembra de nada, além de seu nome.
David estava quase morrendo por causa da radiação da Terra, mas por sorte foi encontrado antes que isso acontecesse e agora irá viver naquele lugar juntamente com algumas outras pessoas.

David passa por vários exames, que apontam que ele está muito bem de saúde. Então, passa a fazer sessões de hipnose com a Dra. Palmer para descobrir mais a respeito de seu passado.

Emma por ter seus cabelos ruivos, foi a pessoa que mais chamou a atenção de David, porém a mulher é muito reclusa e não fica de muito papo, vive a maior parte do tempo pensativa e não interage muito. No mais tardar durante o livro, David irá descobrir que pode ter situações muito em comum com a personagem.

Enquanto lia o livro, o achei um pouquinho parecido com a história da série The 100 no começo, talvez por causa dessa coisa toda da Terra não ser habitável e da radiação.

A narrativa da autora é super fluída e explicativa, não me senti perdida em nenhum momento do livro, apesar da história ser um pouquinho mais complexa. E quanto mais eu lia, mais eu queria.

É triste ver o que aconteceu com o mundo no livro e pensar que algum dia isso possa ocorrer com a gente, a Terra foi devastada por causa de guerras, desmatamento, tudo de ruim que fazemos hoje, mais para frente será a nossa cruz, ou de nossos sucessores.

Por causa do alto nível de radiação que algumas pessoas sofreram, aquele lugar não tem nenhuma criança. Isso preocupa todo mundo, já que restam ali pouco mais de 300 pessoas e elas não consegue reproduzir. Apenas morrem, não nascem.

A diagramação do livro, mais uma vez está impecável, mesmo tendo lido os primeiros capítulos no formato digital, deu para ver todo o capricho da editora para com o livro, mais uma vez está de parabéns!

Tábula Rasa é um livro de distopia incrível que ainda irá me trazer grandes emoções com a história que a autora preparou para nós, estou ansiosa para terminar a leitura.




 

5 comentários:

  1. Oii Ana!
    Nossa assim que li a sinopse também já lembrei de The 100. Mas pelo jeito não é tão parecido assim, só a forma como a Terra foi destruída e o fato de eles morarem em uma base militar ao pé da montanha, rs.
    Acho que eu iria curtir o livro já que sou grande fã de The 100. =)

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Não curto muito distopias mas essa história realmente chamou minha atenção, apesar de serem apenas suas primeiras impressões do livro. A todo momento também achei o enredo muito parecido com The 100 e não pude deixar de pensar que isso tudo pode se tornar realidade no futuro, se o ser humano continuar devastando a natureza e criando cada vez mais armas de destruição em massa.
    Adorei suas primeiras impressões.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. AMEI a premissa, até porque é o tipo de livro que mais gosto de ler. Com certeza vou ler a obra futuramente, fiquei bem curiosa!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oii!
    Minha experiência com distopias não foi muito agradável, portanto, acabo não lendo livros do gênero, mesmo sua resenha sendo incrível. Quem sabe um dia eu mudo isso, né?

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana.
    O livro tem um enredo bem inovador e fiquei interessada na história. A capa está linda e a Editora Coerência tem feito um trabalho com os livros. Se tiver oportunidade vou ler.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir